Surtos, o que fazer para ajudar ?

Seja uma pessoa que esteja em um surto psicótico, de raiva, de melancolia, entre outros, saiba como agir neste momento para ajudá-la.

  • AFASTAR: afaste esta pessoa lentamente de algum aglomerado, ou seja, se vocês estão próximos de mais pessoas, isso pode ocasionar ainda mais ansiedade em quem está surtando, leve ela cuidadosamente para um local que esteja mais vazio e calmo. Além disso, você protegerá os outros, caso ela tenha um surto de raiva, por exemplo.

 

  • CRIE SINERGIA CORPORAL: para que a pessoa consiga te dar ouvidos, primeiramente é necessário que se crie uma sinergia corporal, ou seja, empatia. Se a pessoa surtada estiver com movimentos corporais extravagantes, replique estes mesmos movimentos (criando uma empatia corporal) e aos poucos, reduza o ritmo dos seus movimentos, provavelmente ela se espelhará em você devido à empatia inicial do seu corpo com o dela.

  • AJUDE A PESSOA A SE SENTAR: quando a pessoa está de pé, provavelmente fará mais movimentos bruscos, se movimentará de um lado para o outro e isso fará com que sua ansiedade e estresse aumente ainda mais. Quando nos sentamos, o sangue circula de forma mais lenta e nos acalmamos.

 

  • RESPIRE COM ELA: a pessoa que está em surto apresenta uma respiração acelerada, neste momento, você pode se assustar com a situação e acabar respirando do mesmo modo. A respiração é a base para lidarmos com uma situação de estresse, pois, se feita de modo correto, pode diminuir a ansiedade. Comece respirando profundamente pelo nariz e soltando o ar pela boca, guie esta pessoa para seguir sua respiração.

 

  • ACARICIE: realize um gesto simples que traga a pessoa para a realidade, para que ela se sinta acolhida e confortável, porém, tenha bom senso, não acaricie zonas erógenas, ou seja, partes do corpo que remetam a sexualidade. Exemplos de gestos pacíficos e acolhedores: mãos e braços.

 

  • REGULE O TOM DE VOZ: assim como a empatia corporal, a empatia vocal também é eficaz. Inicie a conversa no mesmo tom de voz desta pessoa e gradualmente, diminua o seu tom e ritmo de fala, novamente, as chances de a pessoa seguir seu comportamento são enormes.

 

  • CHAME PELO NOME: somos designados pelos nossos nomes há milhões de anos atrás, chamar alguém pelo seu nome em um momento de descontrole emocional, faz com que ela “volte” para o momento presente.

 

  • FRASES CURTAS: quando uma pessoa está em uma situação de surto, seu cérebro não consegue processar e organizar longas informações, neste momento, quem está próximo costuma ficar afobado e acaba falando demais, soltando muita informação, ou seja, evite racionalizações, não faça análises do que houve, não faça múltiplas explicações pois a pessoa não será capaz de compreender, racionar e se acalmar. Seja claro, objetivo e direto, como se estivesse falando com uma criança, pois assim, a pessoa conseguirá prestar mais atenção no que você tem a dizer a ela. Evite racionalizações, não faça análises do que houve, não faça múltiplas explicações.

 

  • CONCORDE INICIALMENTE: novamente, a empatia. Se a pessoa que está descontrolada mentalmente enxerga você como um oponente, alguém que vá se opor ao que ela está sentindo no momento, ela certamente não ouvirá o que você tem a dizer. Inicie a conversa mostrando que entende o sentimento e indignação dela, para só depois, sair deste sentimento lentamente junto com ela.

 

  • EVITE CRÍTICAS E CONSOLOS SIMPLES: se você atacar e questionar esta pessoa, ela certamente responderá de uma forma negativa e te atacará de volta.
    Em relação à consolos simples, evite frases como: “vai dar tudo certo” ou “está tudo bem”, pois além de serem frases clichês, pois sabemos que nem sempre as coisas são fáceis de resolver, a pessoa que está em um momento conturbado não acredita que tudo dará certo. Substitua estas frases por frases mais acalentadoras, como: “ Não sei se dará certo, mas vamos tentar encontrar uma solução”.

 

  • EVITE UM TRATAMENTO INFANTIL: não trate a pessoa como criança, pois esse é outro ponto que auxilia ainda mais na irritabilidade. Trate a pessoa como um adulto, converse, respeite e dê legitimidade ao que esta pessoa está sentindo, pois, por mais que ela não esteja se expressando de uma maneira adequada, seus motivos de descontrole emocional podem ser muito justos. Não diminua o que ela está passando.

 

Caso esteja enfrentando um momento difícil em sua vida, baixe o Hug.u, estaremos lá pra te ouvir, ou  ligue para o Centro de Valorização da Vida (CVV) – 188. Você não está sozinho.


Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Add Comment *

Name *

Email *

Website

X